Cisto no Rim Pode Ser Câncer? Como Tratar?

      Comentários desativados em Cisto no Rim Pode Ser Câncer? Como Tratar?

Um cisto é um nódulo benigno que pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas ocorre mais frequentemente na face, pescoço e tronco, ou seja, em regiões com maior acúmulo de glândulas sebáceas.

Existem vários tipos de cistos, sendo o mais comum a epiderme. É um nódulo benigno que pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas é mais comum na face, pescoço e tronco, ou seja, em regiões com maior acumulação de glândulas sebáceas. Eles são ativados por uma mudança estrutural na composição folicular. Também podem ser de origem traumática: As células, que estão localizadas na camada superior da pele (epiderme), finalmente entram na derme e formam esta formação cística. É mais comum em adultos e é considerado raro em crianças.

Quais São os Sintomas do Cisto?

O cisto tem a aparência de uma massa visível e perceptível de consistência fibroelástica e cor da pele. Em alguns casos, pode ser mais visível e de cor amarelada. O cisto pode ser doloroso, dependendo da área do corpo, mas isso não é muito comum. Em caso de infecção, o cisto pode tornar-se avermelhado, quente e doloroso e sofrer de descarga purulenta.

Quais São os Tratamentos Disponíveis Para Cisto?

O tratamento do cisto não tem grandes consequências. Há uma cápsula que contém secreção sebácea e queratina, mas também pode haver fases de expansão. Em outras palavras, a secreção sai e o cisto “esvazia”, mas depois incha e esvazia novamente. Para resolver a situação e retirar o cisto, o procedimento deve ser cirúrgico. É feita uma incisão e a remoção do material inclui a cápsula, que é uma cobertura para o conteúdo. Geralmente é um procedimento simples, dependendo do tamanho e localização do cisto. Anestesia local, incisão e remoção são realizadas, resultando em cicatriz. Uma possível complicação que pode ocorrer é uma infecção secundária com a penetração de bactérias, que causam dor e descarga de pus. Nestes casos, é necessária uma terapia antibiótica. Portanto, dependendo da localização do cisto e das características do seu comportamento, existe uma indicação de remoção cirúrgica.

Quais São as Diferenças Entre Cisto e Nódulo?

Um cisto pode ser definido como uma cavidade fechada ou um saco cheio de um líquido coberto de epitélio. Os cistos podem ser normais ou anormais em tecidos neoplásicos ou não neoplásicos. Entre os mais comuns estão: Cisto sebáceo (derme); cisto renal; cisto sinovial (nas regiões articulares desenvolve-se na membrana sinovial); e cisto mamário. A maioria delas não está associada a lesões neoplásicas.

Um nódulo é uma lesão sólida, elevada, com um diâmetro superior a 1 cm. É geralmente bem definida e de origem epitelial ou conjuntival. Exemplos incluem: nódulos mamário, “nódulos de pele” (qualquer formação sólida na hipoderme que geralmente é mais visível por palpação do que por inspeção); nódulo tireoidiano e nódulo hepático.

Embora o nódulo pulmonar não possa ser considerado uma lesão alta, é assim chamado porque é uma lesão fixa que geralmente só é observada por técnicas de imagem (por exemplo, radiografias, tomografia computadorizada). Nódulos de tireoide, mama, pulmão e fígado são frequentemente uma preocupação para o médico e o paciente, pois devem excluir a hipótese diagnóstica de neoplasia maligna (câncer).

Um nódulo pulmonar pode ter um significado muito diferente de uma úlcera, que pode inicialmente aparecer como uma lesão de pele chamada nódulo endurecido.

Uma comparação também é feita entre um cisto renal separado (dividido por septos) e um cisto sinovial. Diante desses exemplos, é importante notar que a explicação da diferença entre nódulo e cisto deve ser baseada na demanda individual de cada caso, pois essas são definições histopatológicas que são de pouco benefício para a população como um todo.

Quais São as Funções e a Importância dos Rins?

Os rins são dois órgãos do tamanho de uma mão fechada em forma de feijão. Na quantidade de 2 (dois), eles estão localizados diretamente sob o tórax, um de cada lado da coluna vertebral. Todos os dias, ambos os rins filtram cerca de 120 a 150 litros de sangue para produzir cerca de 1 a 2 litros de urina.

Cerca de 70% do peso do adulto é água. Esta enorme quantidade, por outro lado, mostra grandes flutuações: como a água é responsável por 70% a 90% do volume total de alimentos consumidos pelos seres humanos, nada entra ou sai do corpo em um volume tão grande como a água, exceto o ar.

Aparentemente, esta quantidade de água absorvida criaria o objetivo principal dos rins para drená-la continuamente do corpo como um sedimento simples e inofensivo. Mas toda esta água de entrada é realmente necessária para funções orgânicas. Além de beber água com alimentos sólidos e líquidos, as pessoas precisam suplementar suas necessidades com água limpa, mesmo que o próprio corpo produza água como subproduto acidental de reações bioquímicas.

No organismo, a oxidação de gorduras, proteínas e açúcares provoca a produção diária de quase meio litro de água. O processo é semelhante ao processo de combustão, em que os átomos de oxigênio se combinam com átomos de hidrogênio para formar água sob a forma de vapor.

A água é um solvente universal porque é parte integrante de quase tudo. De certa forma, com o tempo, quase tudo se dissolve na água, incluindo a pedra. A água é, portanto, um veículo ideal para transportar e substituir substâncias que são essenciais para o corpo. Em solução ou mistura, sais inorgânicos, proteínas, vitaminas, hormônios, gorduras e açúcares são transportados em veículos aquáticos.

Por esta razão, a água desempenha um papel fundamental no processo de osmose, ou seja, o fluxo de um solvente ou outra substância através de membranas semipermeáveis que separam duas soluções concentradas de forma desigual.

A solução mais concentrada (exercendo uma pressão mais elevada) atrai moléculas de solvente, fazendo com que o solvente migre para uma concentração equilibrada. Como as células do corpo são cercadas por paredes semipermeáveis, a escória resultante da função celular passa para o fluido intersticial da célula balnear. Da mesma forma, os nutrientes passam do fluido intersticial para a célula.

Saúde

A maior parte da água do corpo está dentro das células. O sangue contém apenas cerca de 10% de sangue e o resto é distribuído em outros fluidos, especialmente no líquido intersticial.

Além dessa função de transportar substâncias essenciais para o corpo, a água também serve como elemento regulador da temperatura: o suor hidrata a pele, onde a evaporação rouba o calor e reduz a temperatura ambiente. Mesmo que seja insensível, o suor ocorre sempre.

Por estas razões, o nível de água no corpo é essencial para o equilíbrio fisiológico. Mas a função renal não trata-se apenas sobre a eliminação do excesso de água. Na urina, a água é devolvida ao corpo como um veículo para a excreção de resíduos orgânicos. É o caso da ureia “bagaço” – proteínas finais usadas e reutilizadas pelo corpo.

A terceira função dos rins é controlar a composição do sangue, em relação a vários sais inorgânicos, tão importantes para a sua função osmótica. O controlo do salmo é conseguido eliminando o excesso de urina.

A cada minuto, cerca de 1/5 do sangue passa pelos rins para o filtrar. No entanto, o produto é filtrado ainda menos concentrado do que a urina. O próprio rim passa este filtrado através de condutas deformadas, para que a água e outros compostos sejam novamente absorvidos. Através desta reabsorção, os rins ajudam a reter água e outras substâncias essenciais no corpo.

Rins

Os rins estão na fossa lombar de ambos os lados da coluna vertebral. Rodeados por uma camada abundante de tecido adiposo, estão localizados nas chamadas reservas renais, que são limitadas por uma membrana do tecido conjuntivo. O rim esquerdo é limitado ao pâncreas, baço, estômago e intestino delgado. O rim direito, acompanhado pelo rim, duodeno e cólon ascendente (parte do intestino grosso). Nas extremidades superiores, ambos os órgãos estão cobertos por glândulas adrenais. Estes, embora localizados dentro das lojas de rins, são completamente independentes dos rins.

A forma de cada rim é semelhante à de um feijão e tem geralmente 10 cm de comprimento. Os rins são 5 grandes e 3 grossos, pesando cerca de 150 g para os homens e 130 g para as mulheres.

Há três regiões anatômicas no rim. Comparado ao laranja sem levar em conta a forma e as proporções, o órgão teria uma pele (uma cápsula fibrosa que constitui um envelope renal), uma “pele branca” e uma “pele branca”. (córtex renal) e parênquima (cordão renal). No entanto, o córtex não é uma camada lisa, mas irregular, com protuberâncias que se adaptam à medula espinhal.

A unidade funcional dos rins é o nefrónio. Cada nefrónio é constituído por um glomérulo e um tubo renal. Toda a urina resulta da filtração do sangue por mais de um milhão de nefrónios em cada rim humano. O sangue entra nos rins através da artéria renal, que se ramifica sucessivamente. Em algum nível, as arteríolas rebentam e entram no pequeno grão chamado cápsula Bowman.

Dentro desta cápsula microscópica, as arteríolas tomam o tamanho de um vaso capilar e, como um fio que rola repetidamente, formam uma bola compacta. Esta bola é o glomérulo do glomérulo renal. Cada glomérulo forma, com uma cápsula apropriada, o corpo renal (também chamado de corpo de Malpighi). O mesmo capilar que foi movido para formar os glomérulos retoma o calibre arterial e deixa a cápsula de Bowman para retornar à artéria de onde se originou. A artéria que permeia a cápsula é chamada a outra; a que sai é chamada a outra.

Quando o sangue passa através dos glomerulonefrites, passa água e sais através das paredes permeáveis dos capilares. Este filtrado é absorvido pelas paredes da cápsula de Sowman, que também é permeável, o que não é mais do que o fundo falso do tubo no qual o glomérulo está inserido.

O filtrado absorvido pela parede da cápsula de Bowman entra na mesa curva proximal (a primeira parte do tubo renal, perto do glomérulo) do tubo sinusoidal. Após vários circuitos, o tubo sofre uma grande alça (alça de Henel) que entra no cordão renal e retorna ao córtex cerebral. Quando a alça é terminada, o tubo renal retorna a uma forma sinusoidal, agora chamada de tubo distal (distal do glomérulo) curvado.

Tubos colectivos, nos quais o filtrado penetra finalmente, já absorvido na maior parte (em 180 litros de filtrado produzidos diariamente, apenas um litro e meio é transformado em urina).

Os tubos coletores fluem para canais de maior diâmetro, canais capilares. Estes últimos estão dispostos um ao lado do outro e os vasos formam pirâmides com as extremidades voltadas para o interior dos rins. A ponta de cada uma dessas pirâmides, com 10 a 25 buracos em dueto, é um pequeno chuveiro papilar que flui para uma sala chamada copa renal. A urina flui através das diferentes aberturas de cada mamilo quase completamente desenvolvida.

Por sua vez, cada grupo de três ou quatro copos é combinado em um copo maior, que finalmente se comunica com a maior câmara de saída – a pelve renal, onde a urina é coletada (modificação do fluido originalmente filtrado no glomérulo). À medida que a pelve renal se estreita para baixo, forma um tubo através do qual a urina passa para a bexiga.

Cisto no Rim Pode Ser Câncer? Como Tratar?

O cisto renal, ou cisto no rim, é um saco cheio de líquido ou ar que geralmente se forma em pessoas com mais de 50 anos de idade e que, quando pequeno, não causa sintomas ou representa um risco para a pessoa. Por exemplo, em cistos complexos e maiores, o sangue pode ser detectado na urina e dor nas costas e o sangue deve ser aspirado ou removido por cirurgia, como recomendado pelo nefrologista.

Devido à ausência de sintomas, especialmente no caso de um cisto simples, algumas pessoas podem passar vários anos sem saber que têm um cisto renal, que só é detectado durante exames de rotina, como ultra-som ou tomografia computadorizada.

Quais São os Sinais e Sintomas do Cisto no Rim?

Quando o cisto renal é pequeno, geralmente não causa sintomas. No entanto, com cistos maiores ou mais complexos, algumas alterações clínicas podem ser observadas, por exemplo:

  • Dor nas costas
  • Presença de sangue na urina
  • Aumento da pressão arterial
  • Infestações urinárias frequentes

Cistos em rins simples são geralmente benignos e a pessoa pode inconscientemente passar sua vida sem sintomas, que só podem ser detectados por exames de rotina.

lower back pain

Sinais e sintomas de cistos renais também podem indicar outras condições que podem levar à lesão renal. Faça um teste de rastreio e verifique se tem alguma alteração nos rins:

  • Necessidade frequente de urinar
  • Faz xixi em pequenas quantidades de cada vez
  • Dor constante na parte inferior das costas ou nos lados das costas
  • Inchaço das pernas, pés, braços ou face
  • Comichão por todo o corpo
  • Fadiga excessiva sem razão aparente
  • Alterações na cor e odor da urina
  • Espuma na urina
  • Dificuldade em dormir ou má qualidade de sono
  • Perda de apetite e sabor metálico na boca
  • Sensação de pressão no estômago durante a micção

Como os Cistos São Classificados?

O cisto renal pode ser classificado de acordo com o seu tamanho e conteúdo:

Bosniak I, que representa o cisto simples e benigno, é geralmente pequeno e com ar dentro
Bosniak II, que também é benigna, mas com alguns septos e calcificações no seu interior
IIF bósnia, que se caracteriza pela presença de um número maior de septos
Bosniac III, em que o cisto é maior, tem paredes grossas, vários septos e material denso no interior
Bosniak IV, são cistos que têm propriedades cancerígenas e devem ser removidos assim que forem identificados

O nefrologista classifica o paciente de acordo com o resultado da TC. Descubra como isto é feito e como se preparar para uma tomografia computadorizada.

Como o Tratamento Para Cisto no Rim é Realizado?

O tratamento dos cistos renais é baseado no tamanho e gravidade do cisto, além dos sintomas do paciente. No caso de cistos simples, apenas a monitorização periódica pode ser necessária para monitorizar o crescimento ou os sintomas.

Nos casos em que os cistos são significativos e causam sintomas, o nefrologista pode recomendar a remoção ou esvaziamento do cisto por cirurgia, além do uso de medicação para dor e antibióticos, que geralmente são indicados antes ou depois da cirurgia.

O cisto renal não é um câncer e não pode tornar-se um. O câncer do rim parece um cisto renal complexo e pode ser mal diagnosticado por um médico. No entanto, exames médicos, como TC e RM, podem ajudar a distinguir um cisto renal de um câncer de rim, que são duas doenças diferentes. Descubra quais são os sintomas mais comuns de câncer de rim.

O cisto no rim do bebê pode ser uma situação normal se ele olhar sozinho. Entretanto, se mais de um cisto no rim do bebê for identificado, isso pode indicar policitemia renal, que deve ser acompanhada por um nefrologista para evitar possíveis complicações. Em alguns casos, esta doença pode até ser diagnosticada por ultra-som durante a gravidez.

O post Cisto no Rim Pode Ser Câncer? Como Tratar? apareceu primeiro em Saúde – Blog OPAS.