Insulina Pós-Prandial Aumentada – O que é e Valores de Referência

      Comentários desativados em Insulina Pós-Prandial Aumentada – O que é e Valores de Referência
Exame de insulina

Primeiramente, para entendermos o que é a insulina pós-prandial aumentada, precisamos saber o que é essa tal insulina pós-prandial, não é mesmo?

Pois bem, a insulina é um hormônio produzido no pâncreas que permite que o organismo utilize a glicose – um tipo de açúcar encontrado em muitos carboidratos – como energia. A insulina também auxilia a controlar os níveis de glicose no sangue.

O Instituto Nacional de
Diabetes e Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos esclarece que quando
os níveis de glicose no sangue são elevados depois que uma pessoa come, o
pâncreas libera insulina no sangue e, então, a insulina diminui as taxas de
glicose no sangue para uma margem considerada normal.

Por sua vez, a palavra pós-prandial é definida pelo dicionário como “que vem após uma refeição”. Ou seja, podemos concluir que a insulina pós-prandial é o nível de insulina presente depois de uma refeição.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, o médico pode solicitar a checagem da insulina pós-prandial como uma maneira de estimar se o paciente possui a resistência insulínica.

Além disso, o exame da insulina pós-prandial pode ser solicitado para um paciente com diabetes mellitus do tipo 2 para avaliar a resistência à insulina.

O que é a resistência à insulina?

A resistência à insulina é desenvolvida quando as células nos músculos, gorduras e fígado do organismo não respondem bem à insulina e não consegue absorver facilmente a glicose do sangue, explica o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos.

Como resultado disso, o pâncreas produz mais insulina para auxiliar a glicose a entrar nas células.

De acordo com o Instituto
Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos, enquanto
o pâncreas conseguir produzir uma quantidade suficiente de insulina para
superar a resposta fraca das células ao hormônio, os níveis de glicose no
sangue permanecerão em uma margem saudável.

A principal complicação da resistência à insulina é o desenvolvimento da diabetes.

Segundo o Instituto Nacional de
Diabetes e Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos, entre os fatores de
risco para o desenvolvimento da resistência à insulina, estão:

  • Ter sobrepeso ou obesidade;
  • Ter mais do que 45 anos de idade;
  • Ter um pai, mãe, irmã ou irmão com diabetes;
  • Falta de atividade física;
  • Ter problemas de saúde como pressão arterial alta e níveis anormais de colesterol;
  • Histórico de diabetes gestacional;
  • Histórico de doença no coração ou acidente vascular cerebral (AVC);
  • Ter síndrome do ovário policístico;
  • Fazer uso de medicamentos como glicocorticoides, antipsicóticos e alguns remédios para o HIV;
  • Ter distúrbios hormonais como a síndrome de Cushing e acromegalia;
  • Ter problemas para dormir como a apneia do sono.

O Instituto Nacional de
Diabetes e Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos afirma que praticar
atividades físicas e perder peso, caso seja necessário para o paciente, podem
contribuir para que o organismo responda melhor à insulina.

Entretanto, quem foi diagnosticado com a resistência à insulina necessita seguir todo o tratamento que foi indicado pelo médico para lidar com o problema.

Então, o que é e o que significa a insulina pós-prandial aumentada?

Com base em um raciocínio
lógico, podemos entender que a insulina pós-prandial aumentada corresponde à
elevação da insulina após a realização de uma refeição por parte do paciente.
Mas o que será que isso pode significar?

De acordo com informações da
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, quando existe um defeito
na ação da insulina, o hormônio geralmente encontra-se elevado no sangue.

A instituição afirmou que
alguns métodos matemáticos, que se utilizam da glicemia e da insulina basais
e/ou glicemia e insulina pós-prandiais, podem estimar se o paciente sofre ou
não com a resistência à insulina.

Conforme a Sociedade Brasileira
de Endocrinologia e Metabologia, é possível que um indivíduo apresente um valor
mais elevado de insulina basal do que de insulina pós-prandial.

Valores de referência da insulina pós-prandial

De acordo com informações encontradas,
não existem valores de referência estabelecidos para a insulina pós-prandial,
ficando a cargo do médico a interpretação desses valores, baseado nas
características de cada paciente.

Portanto, se o seu médico solicitou que você realizasse um exame para medir a sua insulina pós-prandial, ao receber os resultados, você deve consultá-lo para saber o que esses resultados significam e como você deve proceder em relação a eles – por exemplo, se deve seguir algum tipo de tratamento ou modificar seus hábitos de vida como alimentação e a prática de atividades físicas, por exemplo.

Referências Adicionais:

Você já foi diagnosticado com insulina pós-prandial aumentada? Que tipo de tratamento seu médico recomendou? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.