Exame PSA Total e Livre – O Que é, Para Que Serve, Preparo e Resultados

      Comentários desativados em Exame PSA Total e Livre – O Que é, Para Que Serve, Preparo e Resultados
Exame PSA

O exame de
PSA é um teste utilizado para identificar e monitorar o câncer de próstata. A
realização desse exame periodicamente é muito importante para identificar a
quantidade de antígeno especifico da próstata no sangue e intervir com rapidez
e eficácia se um câncer for detectado.

Se você tem dúvidas sobre o que é exatamente o exame de PSA ou quer compreender melhor como interpretar os resultados obtidos, vamos abaixo explicar a diferença entre o exame PSA total e PSA livre além de mostrar o que significam as alterações que podem ser observadas nesse tipo de exame.

Exame PSA Total – O que é?

Antes de entender o que é o exame PSA total, precisamos falar um pouco da PSA. PSA é uma proteína produzida por um tecido encontrado na próstata, que é uma glândula localizada logo abaixo da bexiga dos homens.

Essa
proteína é encontrada no sêmen que é produzido na próstata e pequenas
quantidades de PSA também podem circular no sangue em duas formas: PSA
complexado a uma proteína ou PSA livre.

Pequenas
quantidades de PSA são naturalmente liberadas no sangue durante uma ejaculação.
A função dessa proteína na ejaculação é facilitar o transporte dos espermatozoides
pelo sêmen até as trompas de falópio da mulher, sendo então essencial para a
reprodução humana.

Um exame
de PSA tradicional é aquele que mede o PSA total, ou seja, a soma do PSA livre
e do PSA ligado a proteínas. Apenas em alguns casos o exame de PSA livre também
é solicitado.

O exame de PSA serve para detectar níveis altos de PSA no sangue que podem ser um indicativo de câncer de próstata ou de outras condições de saúde como uma inflamação ou um crescimento anormal da próstata.

Para que serve

Infelizmente, o câncer de próstata é bastante comum e a detecção precoce da doença pode ser crucial para evitar que ele se torne agressivo.

Altos
níveis de PSA no sangue podem indicar a presença de problemas de saúde como o
câncer de próstata e por isso a realização do exame é tão importante.

No entanto, apenas o exame de PSA não é suficiente para verificar a condição da próstata detalhadamente. Para obter mais informações, o médico pode solicitar mais exames, incluindo o exame de toque retal, que ajuda o profissional a identificar nódulos no local. Se os 2 exames indicarem alterações na próstata, uma biópsia do órgão pode ser requisitada para confirmar o diagnóstico.

Assim, o
teste de PSA não é um exame totalmente conclusivo e apenas ele não é capaz de
diagnosticar um câncer, mas ele é um exame de sangue relativamente simples que
pode ajudar a identificar o câncer de próstata precocemente, o que facilita e
muito o tratamento.

Resumindo,
o exame de PSA serve basicamente para:

  1. Auxiliar na detecção de um câncer de próstata;
  2. Acompanhar a saúde de homens que já foram diagnosticados com câncer de próstata para verificar se o tratamento está sendo eficiente;
  3. Detectar através de exames periódicos se há recorrência do câncer após o término do tratamento.

Há profissionais que defendem que o exame de PSA deve ser feito de forma preventiva e regular a partir dos 50 anos de idade para ajudar na identificação de um câncer de próstata precocemente mesmo se não houver sintomas. Outros defendem que o teste só seja feito quando um homem apresentar sintomas como dificuldades de micção ou dor na região.

Esse ainda é um tema muito debatido no meio médico devido ao risco de resultados falso-positivos deixarem o paciente ansioso ou levarem o médico a solicitar uma biópsia que o paciente não precisa naquele momento.

Para aqueles que já apresentam sintomas, a realização do exame PSA total em conjunto com um exame de toque retal são cruciais para avaliar a situação e evitar uma biópsia desnecessária que é um procedimento invasivo que apresenta alguns riscos.

Preparo para o exame

O exame PSA total não requer nenhum preparo especial. Porém, a amostra de sangue deve ser coletada antes da realização de um exame de toque retal e nunca depois. Isso porque o toque retal pode elevar temporariamente os níveis de PSA no sangue.

Também é
indicado que a coleta do sangue seja feita antes ou várias semanas depois de
uma biopsia de próstata.

Para evitar que níveis de PSA alterados sejam observados, também é indicado não realizar nenhum exercício físico vigoroso ou ter relações sexuais pelo menos 48 horas antes do teste. O sexo anal também pode elevar o PSA total e pode ser necessário evitar praticá-lo por ao menos 1 semana antes do exame.

É
importante informar ao médico sobre o uso de qualquer medicamento ou se você
passou por algum procedimento cirúrgico na próstata ou na bexiga nas últimas
semanas, pois alguns fármacos ou procedimentos podem interferir nos níveis de
PSA.

O jejum
não é obrigatório nesse caso, mas a maioria dos laboratórios que coletam
amostras de sangue costumam solicitar um jejum de pelo menos 6 horas para
evitar interferências nos resultados.

Resultados

Os resultados de um exame PSA total devem ser analisados por um profissional capacitado, já que existem algumas outras condições além do câncer de próstata que podem gerar um exame PSA alterado.

Em geral,
o PSA analisado é o PSA total, que indica a quantidade de PSA que está complexado
a proteínas do sangue e também aquele PSA que se encontra livre no sangue.

Interferências nos resultados

Algumas coisas podem afetar os níveis de PSA e causar um aumento (falso-positivo) ou redução temporários que não representam nenhum problema de saúde. A prática de atividades físicas vigorosas como o ciclismo, por exemplo, pode elevar o PSA total. O uso de altas doses de medicamentos quimioterápicos como o metotrexato e a ciclofosfamida também podem alterar os níveis de PSA.

Em suma, um
exame de PSA alto pode indicar:

  • Aumento da próstata ou hiperplasia benigna da
    próstata;
  • Prostatite ou próstata inflamada ou infectada;
  • Ejaculação;
  • Sexo anal ou estimulação da próstata;
  • Prática de exercícios físicos vigorosos;
  • Aumento normal que ocorre com o passar dos anos.

Já um
exame de PSA baixo pode sugerir:

  • Uso de medicamentos para tratar a hiperplasia
    benigna da próstata;
  • Problemas urinários;
  • Altas doses de medicamentos quimioterápicos;
  • Obesidade.

Valores de referência

Na maioria dos laboratórios, o resultado de um exame PSA total é relatado em nanogramas de PSA por mililitro de sangue (ng / mL). Os limites de referência para um exame PSA total alterado pode variar dependendo do laboratório em que a amostra é analisada.

Em geral,
o valor normal para o PSA total deve ser inferior a 4,0 ng / mL. No entanto,
alguns médicos acreditam que o limite deveria ser reduzido para 2,5 ng / mL.
Dessa forma, apenas um profissional é capaz de avaliar os resultados.

Os
especialistas concordam que níveis de PSA total maiores que 10,0 ng / mL
indicam um risco alto de câncer de próstata que pode chegar a 67% de chance. Já
os níveis entre 4,0 e 10,0 ng / mL indicam 25% de chance de um homem ter câncer
de próstata, prostatite ou hiperplasia benigna de próstata.

De acordo com estudo de revisão publicado em 2014 na revista científica BC Medical Journal, é preciso considerar também a idade dos homens na interpretação do exame já que conforme os anos vão passando é natural que o PSA total aumente. Assim, os intervalos de referência considerados normais são até:

  • 2,5 ng / mL para homens com até 49 anos;
  • 3,5 ng / mL para homens entre 50 e 59 anos;
  • 4,5 ng / mL para homens entre 60 e 69 anos;
  • 6,5 ng / mL para homens com 70 anos ou mais.

Testes complementares

Para melhorar a precisão dos resultados, os pesquisadores da área médica vêm desenvolvendo métodos para melhorar a interpretação dos resultados obtidos. Eles são chamados de variações do teste de PSA e incluem:

1. Velocidade do PSA

A velocidade de PSA representa a alteração nos níveis de PSA ao longo do tempo, o que pode indicar a presença de um câncer. Um aumento rápido no PSA pode representar um câncer que pode inclusive ser agressivo. No entanto, alguns estudos mais recentes não indicam esse teste como o único fator para considerar a presença de um câncer de próstata.

2. PSA livre

A
porcentagem de PSA livre é a quantidade de PSA que circula livremente no sangue
– ou seja, que não está ligada a nenhuma proteína.

Um
paciente que apresenta alto nível de PSA total, mas uma porcentagem baixa de
PSA livre tem probabilidade mais alta de ter câncer de próstata.

Assim, o exame de PSA livre ajuda a determinar o risco de pacientes que apresentam níveis de PSA total entre 4,0 e 10,0 ng / mL de terem câncer de próstata. Se a porcentagem de PSA livre for alta, é provável que os altos níveis de PSA total indiquem outro problema de saúde e não um câncer.

3. Densidade de PSA

Indivíduos com câncer de próstata podem produzir mais PSA por volume de tecido do que aqueles que têm uma próstata saudável. Essas medidas de densidade de PSA normalmente são obtidas através de exames como uma ressonância magnética ou uma ultrassonografia transretal.

Vale a pena fazer o exame de PSA?

Nem sempre os resultados do exame PSA total são precisos. Isso significa que um alto nível de PSA não quer dizer que um homem tenha câncer. Além disso, há casos de homens diagnosticados com câncer de próstata através de outros exames que não apresentam alteração nos níveis de PSA. Assim, esse nunca deve ser o único fator a ser considerado no diagnóstico.

Estudos estimam que entre 23 e 42% dos homens com câncer de próstata diagnosticados com o auxílio de um teste de PSA apresentam tumores que nunca causariam sintomas perceptíveis. Esse tipo de tumor é considerado um sobrediagnóstico e significa que o câncer não é capaz de causar um problema de saúde ou representar um risco grave para a saúde.

No entanto, o câncer de próstata quando identificado em seu estágio inicial tem uma probabilidade muito mais alta de ser curado e de impedir que o tumor aumente e cause um problema mais sério.

Outro fator importante a ser considerado é que o câncer de próstata costuma progredir lentamente ao longo de vários anos, o que faz com que a maioria dos homens com câncer de próstata nunca observe sintomas da doença e a detecte apenas quando o câncer já está bem avançado.

Dessa
forma, o exame de PSA é uma ótima ferramenta para diagnosticar a doença no
início, aumentando muito as chances de cura.

O que fazer se o câncer de próstata for diagnosticado?

O câncer
de próstata avança muito lentamente, o que significa que muitas vezes o tumor
não vai causar nenhum sintoma desagradável e o paciente poderá viver
normalmente com ele, apenas monitorando o seu crescimento e intervindo com um
tratamento, se necessário.

O tratamento nem sempre é indicado porque muitas vezes o câncer de próstata é tão insignificante e cresce tão lentamente que o tratamento pode ser pior do que a própria doença devido aos efeitos colaterais como incontinência urinaria e disfunção erétil, por exemplo.

Nesses
casos em que o câncer é assintomático, o médico e o paciente podem optar por
monitorar o progresso da doença ao invés de iniciar o tratamento imediato.

Ainda assim, alguns homens podem se sentir mais ansiosos e preocupados apenas por descobrir que há um tumor no local, mesmo que a sua existência não traga riscos à saúde. É absolutamente normal se preocupar com a própria saúde, mas se a ansiedade tomar conta da vida do paciente, é essencial buscar ajuda psicológica para lidar melhor com ela e sofrer menos com o problema.

Se o
tratamento do câncer for necessário, alguns dos tratamentos mais comuns incluem
o uso de radioterapia, terapia hormonal ou cirurgia. Cada caso deve ser
avaliado individualmente por um especialista.

Referências Adicionais:

Você já passou por um Exame PSA Total e Livre? Como foram os resultados? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.